• Nayara Reynaud

2 OUTONOS E 3 INVERNOS | Ansiando por primaveras


Os personagens narradores de si mesmos são o chamariz da comédia dramática francesa 2 Outonos e 3 Invernos (2013), de Sébastien Betbeder. É justamente na figura de Vincent Macaigne, que ganhou o último César de Melhor Ator Coadjuvante por Assim é a Vida (2017), como um dos protagonistas que o filme realizado há cinco anos foi lançado no Brasil, depois de tanto tempo e do diretor já ter feito outros longas: Marie et les Naufragés (2016) e Uma Viagem à Groenlândia (2016). Contando o que lhe aconteceu e confessando seus sentimentos e pensamento em off ou diretamente para a câmera, o ator demonstra a mesma habilidade de construir adoráveis tipos patéticos, vista no recente Vidas Duplas (2018), de Olivier Assayas.

Assim, o seu Arman explica a sua resolução, ao completar 33 anos, de começar a correr no parque, que acaba levando-o a esbarrar literalmente na jovem ruiva Amélie (Maud Wyler). Mas se o primeiro encontro não dá frutos, no segundo, ele tem a chance de, ainda que de maneira não tão consciente, bancar o herói para a mocinha em situação de perigo. Um clichê que já passou do prazo de validade, até mesmo lá em 2013.

O que seria uma mera comédia romântica ganha contornos mais melancólicos, a exemplo das estações lembradas no título, especialmente quando o amigo dele, Benjamin (Bastien Bouillon) sofre um AVC na mais tenra idade. As sequelas físicas são apagadas quando a estação chega novamente no ano seguinte, mas o toque da mortalidade atinge não só os dois colegas como seus relacionamentos amorosos. Não por menos, os numerosos capítulos que marcam essa narrativa bem literária entram em contagem regressiva, mas se 2 Outonos e 3 Invernos é o prazo que dura um amor hoje em dia fica como uma incerteza deixada por Betbeder ao final.

Igualmente, é duvidosa a sensação transmitida pelo filme, que assim como Arman e Benjamin, ex-alunos de arte sem muita perspectiva de vida profissional – a qual o primeiro pede para o público não se importar –, deixa lacunas ao espectador. Citações a diversos filmes, como Tá Rindo do Que? (2009) do norte-americano Judd Apatow, O Mundo Vivente (2003) do franco-americano Eugène Green e A Salamandra / La Salamandre (1971) do suíço Alain Tanner surgem no texto e na tela, além de nomes musicais, reforçando o típico exercício estilístico de um estudante de cinema, cujo maior mal esta obra também padece: a forma se sobrepõe à história ou ao desenvolvimentos dos personagens.

2 Outonos e 3 Invernos (2 Automnes 3 Hivers, 2013)

Duração: 93 min

Direção: Sébastien Betbeder

Roteiro: Sébastien Betbeder

Elenco: Vincent Macaigne, Maud Wyler, Bastien Bouillon, Audrey Bastien, Thomas Blanchard, Pauline Etienne, Jean-Quentin Chatelain e Olivier Chantreau (veja + no IMDb)

Distribuição: Fênix Filmes

#Cinema #2Outonose3Invernos #cinemafrancês #SébastienBetbeder #comédiaromântica #drama #VincentMacaigne #MaudWyler #BastienBouillon #relacionamento #amizade #arte #abuso #AVC #morte #TáRindodoQue #OMundoVivente #ASalamandra

 siga o NERVOS: 
 @nervossite 
  • Twitter - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • SoundCloud - Black Circle
  • Spotify - Black Circle
  • Deezer - Black Circle
  • iTunes - círculo preto
  • Branco RSS Icon
  • Twitter B&W
  • Facebook B&W
  • Instagram B&W

© 2020 por Nayara Reynaud. Criado a partir da plataforma Wix.