© 2019 por Nayara Reynaud. Criado a partir da plataforma Wix.

É TUDO VERDADE 2018 | Menos é mais na 23ª edição do festival, com forte seleção brasileira

22/04/2018

 

"Um pouco menor, mas nada menos vigoroso”. Assim foi definida esta 23ª edição do É Tudo Verdade, principal festival de documentários da América Latina, pelo próprio fundador e diretor Amir Labaki, durante a coletiva de imprensa que apresentou os detalhes do evento, no último dia 20 de março. Apesar dos percalços financeiros, o ETV deste ano apresenta uma forte seleção brasileira que, ao lado dos filmes das competições latino-americana e internacionais, tanto em curtas ou longas/médias, e projeções especiais, faz a programação que invadirá cinemas e espaços culturais em São Paulo e no Rio de Janeiro, de 12 a 22 de abril.

 

A abertura do festival acontece no dia 11 de abril, em São Paulo, com a estreia de Adoniran – Meu nome é João Rubinato (2018) no Auditório Ibirapuera, e na noite seguinte (12/04) no Rio de Janeiro, com a exibição do inédito Carvana (2018) na Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM). Veja abaixo os outros títulos selecionados:

 

COMPETIÇÃO BRASILEIRA: LONGAS OU MÉDIAS–METRAGENS

> Auto de Resistência (2018), de Natasha Neri e Lula Carvalho; Che, Memórias de um Ano Secreto (2018), de Margarita Hernandez; Elegia de um Crime (2018), de Cristiano Burlan; Espera (2018), de Cao Guimarães; Ex-Pajé (2018), de Luiz Bolognesi; Missão 115 (2018), de Silvio Da-Rin; e Neville D’Almeida – Cronista da Beleza e do Caos (2018), de Mario Abbade

 

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL: LONGAS OU MÉDIAS–METRAGENS

A Batalha de Argel, um Filme Dentro da História (2017), de Malek Bensmaïl, França / Suíça; Aquele Verão (2017), de Göran Hugo Olsson, Dinamarca / Finlândia; As Crianças da Rua Saint-Maur (2017), de Ruth Zylberman, França; Amarra Seu Arado a Uma Estrela (2017), de Carmen Guarini, Argentina; Amor é Batatas (2017), de Aliona van der Horst, Holanda; Canções em Pequim (2018), de Milena de Moura Barba, China; Filmmakers Unite: Uma Resposta Coletiva ao Governo dos Estados Unidos (2017), EUA, de Ellen Bruno e Jay Rosenblatt; Naila e o Levante (2017), de Julia Bacha, EUA; O Distante Latido dos Cães (2017), de Simon Lereng Wilmont, Dinamarca / Finlândia; Sammy Davis, Jr.: Eu Tenho que Ser Eu (2017), de Sam Pollard, EUA; The Cleaners (2018), de Hans Block & Moritz Riesewieck, Alemanha / Brasil; e Zaatari – Memórias do Labirinto (2018), de Paschoal Samora, Brasil / Alemanha

 

COMPETIÇÃO LATINO-AMERICANA

A Flor da Vida (2017), de Claudia Abend e Adriana Loeff, Uruguai; Amarra Seu Arado a Uma Estrela (2017), de Carmen Guarini, Argentina; Cartucho (2017), de Andrés Chaves Sánchez, Colômbia; Che, Memórias de um Ano Secreto (2018), de Margarita Hernandez, Brasil; Não Viajarei Escondida (2018), de Pablo Zubizarreta, Argentina / Uruguai; Regresso à Origem (2017), de María José Glender de Mucha, México; e Roubar Rodin (2017), de Cristóbal Valenzuela, Chile

 

COMPETIÇÃO BRASILEIRA: CURTAS-METRAGENS

A Casa de Catharina (2018), de Felipe Arrojo Poroger, Brasil / SP; Arara: Um Filme Sobre um Filme Sobrevivente (2017), de Lipe Canêdo, Brasil / MG; Catadora de Gente (2017), de Mirela Kruel, Brasil / RS; Inconfissões (2017), de Ana Galizia, Brasil / RJ; Nome de Batismo - Alice (2017), de Tila Chitunda, Brasil / PE; Mini Miss (2017), de Rachel Daisy Ellis, Brasil / PE; Sem Título # 4 : Apesar dos Pesares, na Chuva Há de Cantares (2018), de Carlos Adriano, Brasil / SP; Sobre Imagem e Semelhança (2017), de Felipe Tomazelli e Ricardo Martensen, Brasil / SP; e Tetê (2018), de Clara Lazarim, Brasil / SP

 

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL: CURTAS-METRAGENS

A Boa Educação (2017), de GuYu, China / França; As Elegias do Kodachrome (2017), de Jay Rosenblatt, EUA; Las Nubes (2018), de Juan Pablo González, México; O Intérprete (2017), de Reneé van der Ven, Holanda; Poeira (2017), de Jakub Radej, Polônia; Por Fora: Paz; Por Dentro: Guerra (2017), de Katja Berls, Alemanha; Ressonâncias (2017), de Nicolas Khoury, Líbano; Sílica (2017), de Pia Borg, Austrália; e Trainspotter (2017), de Ignacio Masllorens, Argentina / República Tcheca

 

PROGRAMA ESPECIAL

68 (2008), de Patrick Rotman, França; O Processo (2018), de Maria Augusta Ramos, Brasil; e Quando as Luzes das Marquises se Apagam – A História da Cinelândia Paulistana (2018), de Renato Brandão, Brasil

 

HOMENAGEM A PAMELA YATES (TRILOGIA GUATEMALTECA)

Quando as Montanhas Tremem (1983), de Pamela Yates, EUA; Granito (2011), de Pamela Yates, EUA; e 500 Anos (2017), de Pamela Yates, EUA

 

A programação completa, com as datas, horários e locais das sessões destes filmes e também dos debates estão no site etudoverdade.com.br/br/programacao, mas a cobertura completa do É Tudo Verdade 2018, você confere por aqui:

 

Cobertura da coletiva de imprensa de apresentação da 23ª edição do ETV

 

Dia 1 O triste palhaço paulistano: Adoniran – Meu nome é João Rubinato
 

Dia 2 Tributos cinematográficos entre amigos: Amarra Seu Arado a Uma EstrelaNeville D’Almeida – Cronista da Beleza e do Caos

 

Dia 3  Um documentário de espionagem: Che, Memórias de Um Ano Secreto

 

Dia 4  Não esquecer: um ato de resistência: Elegia de Um CrimeAuto de Resistência

 

Dia 5  Fogo amigo: Missão 115

 

Dia 6  A arte de ser espectador: Quando as Luzes das Marquises se Apagam – A História da Cinelândia PaulistanaEspera

 

Dia 7  Todo dia era dia de índio: Ex-Pajé

 

Dia 8  Relicário de longas vidas e um amor finito: A Flor da Vida

 

Dia 9  Inventário familiar e de uma nação: Amor É Batatas

 

Dia 10  Entre registros familiares, música e mazelas sociais: Sem Título #4: Apesar dos Pesares, Na Chuva Há de Cantares, Tetê, InconfissõesA Casa de Catharina, Nome de Batismo – Alice, Arara: Um Filme Sobre um Filme Sobrevivente, Catadora de Gente, Sobre Imagem e Semelhança e Mini Miss (curtas brasileiros)

Veja abaixo a lista completa dos premiados nesta 23ª edição do festival É Tudo Verdade:

 

PREMIAÇÃO OFICIAL

 

Competição Brasileira

[Júri: a cineasta Betse de Paula; o cineasta e articulista Fernando Grostein Andrade; e o cineasta e diretor de fotografia Tyrell Spencer]

Melhor Documentário de Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)

> Auto de Resistência, de Natasha Neri e Lula Carvalho, Brasil / Rio de Janeiro-RJ

Melhor Documentário de Curta-Metragem (Júri Oficial)

[por consequência, ganhador também do PRÊMIO MISTIKA]

> Nome de Batismo - Alice, de Tila Chitunda, Brasil / Olinda-PE

Menção Honrosa para Curta-Metragem (Júri Oficial)

Inconfissões, de Ana Galizia, Brasil / Rio de Janeiro-RJ

> Catadora de Gente, de Mirela Kruel, Brasil / Porto Alegre-RS

 

Competição Internacional

[Júri: a documentarista americana Pamela Yates, também homenageada pela retrospectiva desta edição; a produtora brasileira Renata de Almeida, diretora da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo; e pelo curador equatoriano Alfredo Mora Manzano, diretor do EDOC, festival de documentários do Equador]

Melhor Documentário de Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)

O Distante Latido dos Cães, de Simon Lereng Wilmont, Dinamarca / Finlândia

Prêmio Especial do Júri para Documentário de Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)

> Naila e o Levante, de Julia Bacha, EUA

Menção Honrosa para Documentário de Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)

> The Cleaners, de Hans Block e Moritz Riesewieck, Alemanha / Brasil

Melhor Documentário de Curta-Metragem (Júri Oficial)

> Ressonâncias, de Nicolas Khoury

 

Competição Latino-Americana

[Mesmo Júri da Competição Internacional]

Melhor Documentário de Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)

> Roubar Rodin, de Cristóbal Valenzuela, Chile

Prêmio Especial do Júri para Documentário de Longa ou Média-Metragem (Júri Oficial)

> A Flor da Vida, de Claudia Abend e Adriana Loeff, Uruguai

 

 

PREMIAÇÕES PARALELAS

 

PRÊMIO ABD-SP (Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-Metragistas)

Melhor Documentário de Longa ou Média-Metragem da Competição Brasileira

[Júri: Lívia Perez, Mariana Duccini e Patrícia Mourão]

> Elegia de um Crime, de Cristiano Burlan, Brasil / São Paulo-SP

Melhor Documentário de Curta-Metragem da Competição Brasileira

[Júri: Alice Riff, Gabriel Tonelo e Bruno Cucio]

> Nome de Batismo - Alice, de Tila Chitunda, Brasil / Olinda-PE

 

PRÊMIO ABRACCINE (Associação Brasileira de Críticos de Cinema)

[Júri: Julio Bezerra, Lúcio Vilar e Nayara Reynaud]

Melhor Documentário de Longa ou Média-Metragem da Competição Brasileira

> Ex-Pajé, de Luiz Bolognesi, Brasil / São Paulo-SP

Melhor Documentário de Curta-Metragem da Competição Brasileira

Inconfissões, de Ana Galizia, Brasil / Rio de Janeiro-RJ

 

PRÊMIO CANAL BRASIL DE CURTAS

[Júri: Amilton Pinheiro, Bárbara Demerov, Clarissa Kuschnir, Flavia Guerra e Luiza Lusvarghi]

> Mini Miss, de Rachel Daisy Ellis, Brasil / Recife-PE

 

PRÊMIO EDT. (Associação de Profissionais de Edição Audiovisual)

[Júri: Fernanda Bastos, Júlia Bernstein e Mariana Becker]

Melhor Montagem de Longa-Metragem da Competição Brasileira

> Elegia de um Crime, de Cristiano Burlan, Brasil / São Paulo-SP

Melhor Montagem de Curta-Metragem da Competição Brasileira

> Nome de Batismo - Alice, de Tila Chitunda, Brasil / Olinda-PE

 

Compartilhar
Tweetar
Please reload

 Textos relacionados: 
Please reload

 últimas: 
Please reload

 siga o NERVOS: 
 @nervossite 
  • Twitter - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
  • SoundCloud - Black Circle
  • Deezer - Black Circle
  • Spotify - Black Circle
  • Branco RSS Icon
  • Twitter B&W
  • Facebook B&W
  • Instagram B&W